Decantador Lamelar no Tratamento da Água e Efluentes

Decantador Lamelar no Tratamento da Água e Efluentes

A questão da escassez da água e dos consequentes impactos ambientais descentralizou a responsabilidade da administração pública em relação ao tratamento de água e efluentes.

As indústrias, cada vez mais conscientes de suas funções sociais junto às comunidades nas quais estão inseridas, assumem o compromisso de contribuir ativamente com as políticas públicas voltadas para a melhoria da oferta de água, prezando pelo uso eficiente e sustentável desse recurso e minimizando os impactos ambientais.

As políticas e os valores empresariais devem ser compatíveis com o desenvolvimento sustentável da sociedade, respeitando e preservando os recursos ambientais.

A empresa socialmente responsável, que respeita os direitos e os interesses dos indivíduos que de uma forma ou de outra são por ela afetados, acaba se destacando no mercado e obtendo uma grande vantagem competitiva.

Diante dessa realidade, as indústrias estão cada vez mais atentas ao descarte de seus resíduos, investindo alto em tecnologias eficazes para o tratamento de água e efluentes e cumprindo com as normas ambientais em vigor.

O tratamento da água e de efluentes tem por objetivo eliminar os resíduos humanos e industriais.

Dentre esses resíduos estão os sólidos em suspensão, que podem entupir rios ou canais; as bactérias e outros organismos patogênicos, que podem causar sérias doenças se a água for consumida pelo homem; produtos orgânicos biodegradáveis, que alimentam microrganismos e levam à eutrofização da água, prejudicando os seres biológicos presentes na água; e nutrientes como o nitrato e fosfato, que também podem levar à eutrofização da água gerando gases tóxicos e morte de peixes.

As diversas tecnologias para o tratamento de água e efluentes podem ser combinadas para atingir uma boa qualidade da água.

Dentre elas podemos destacar os processos físicos mais comuns como a decantação e filtração ou separação centrífuga.

Decantação Lamelar

A decantação é o ato de separar, por meio da gravidade, os sólidos sedimentáveis que estão na água. Para as estações de tratamento destaca-se o DECANTADOR LAMELAR, que utiliza forças gravitacionais para separar as partículas de densidade superior a da água. Trata-se de um processo que reduz significativamente a superfície de separação da água / Iodo.

Decantador Lamelar na obra de ampliação da Estação de tratamento de água cidade de Iracemápolis

Decantador Lamelar na obra de ampliação da Estação de tratamento de água cidade de Iracemápolis

Os processos de tratamento de efluentes utilizam o decantador lamelar como unidade de tratamento secundário. Precedem a etapa da decantação lamelar os processos biológicos, físicos, físico-químicos ou mesmo uma combinação desses. Após esses processos, os sólidos/Iodo gerados são retirados na etapa de decantação.

O decantador lamelar pode ser empregado em todos os processos em que há geração de Iodo que necessita ser removido, e, suas dimensões são especificadas em função das taxas de escoamento superficial, conforme o tipo e as características do efluente. As dimensões e as vazões variam dependendo de qual será a sua funcionalidade.

A possibilidade de aplicação de maiores taxas de escoamento superficial é uma vantagem do decantador lamelar, tendo como consequência a redução dos seus tamanhos e a possibilidade de designs mais compactos.

Mais o mais relevante e se destacar, é a alta eficiência do decantador lamelar na separação dos sólidos/líquidos e na remoção do óleo. Podem ser adequados para operar com partículas de diferentes densidades, desde lama de fosfato, considerada leve até sedimentação de resíduos de mineração, considerados de maior densidade.

Valendo-se dessas tecnologias de eficácia comprovada para o tratamento de água as indústrias assumem posição relevante na sociedade, contribuindo com o meio ambiente e com a saúde da população local.

A FUSATI é uma empresa que preza pela sustentabilidade de seus projetos!

Conheça as nossas soluções para o uso eficiente da água.

A Gestão da Água é Crítica Para Garantir a Segurança Alimentar

A Gestão da Água é Crítica Para Garantir a Segurança Alimentar

Os recursos de água doce disponíveis por pessoa no mundo diminuíram mais de 20% nas últimas duas décadas. O dado está no mais recente relatório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), publicado em novembro de 2020.

O documento The State of Food and Agriculture 2020 aponta que “melhorar a gestão da água, apoiada por uma governança eficaz e instituições fortes, incluindo a segurança da posse e direitos, será crítica para garantir a segurança alimentar e nutricional globalmente”.

Além disso, cerca de 2,2 bilhões de pessoas no planeta têm dificuldade de acesso à água potável e 4,2 bilhões não têm saneamento adequado. Com os impactos das mudanças climáticas previstos até 2050, entre 3,5 bilhões e 4 bilhões de pessoas viverão com acesso limitado à água, sendo que mais de 1 bilhão devem morar em cidades.

Apenas 3% da água do mundo é doce, mas somente metade está acessível (o restante é parte de geleiras e aquíferos inacessíveis). Já o território brasileiro concentra 12% da água doce do mundo. Como é a mesma quantidade de água que circula continuamente pelo planeta, a importância do tratamento é cada vez maior. Pelos dados da ONU, 80% das águas residuais não recebem tratamento antes de serem devolvidas ao meio ambiente.

Saiba mais em:  The State of Food and Agriculture 2020 

Fonte: FAPESP e FAO

Fonte imagem: FAO

Água de Reúso Ingressa na Pauta Política

Água de Reúso Ingressa na Pauta Política

Torneiras secas, enormes perdas de água tratada, reservatórios de água em situação crítica, escassez de chuvas, mudanças climáticas globais e o grande consumo de água por populações e indústrias de todo o mundo. Por causa de tudo isso, o tema aproveitamento da água de reúso está entrando na pauta de prioridades da sociedade brasileira. Com certo atraso, é bem verdade…

O fato é que, nos tempos recentes, o interesse e os debates sobre a fonte hídrica alternativa vêm despontando com mais frequência. E neste ano de eleições municipais pelo país, o assunto foi destacado em planos de governos de vários candidatos a prefeito como uma das medidas prioritárias para tornar suas cidades mais sustentáveis e inteligentes.

Em Piracicaba, município do interior paulista de economia bastante diversificada, que possui um polo industrial desenvolvido e com uma forte vocação para o setor sucroalcooleiro, 9 dos 12 candidatos que no 1º turno disputaram a cadeira de chefe do Poder Executivo – para o quadriênio 2021/2024 – citaram ações de captação e reúso de água em suas propostas de governo.

O tema foi alvo de uma matéria publicada no site G1 Piracicaba e Região:

https://g1.globo.com/sp/piracicaba-regiao/eleicoes/2020/noticia/2020/11/02/nove-dos-12-candidatos-a-prefeito-de-piracicaba-abordam-captacao-e-reuso-de-agua-em-seus-planos.ghtml

Vale observar que a cidade de Piracicaba – onde está instalado o Grupo FUSATI – viveu uma de suas maiores crises hídricas no ano de 2014. Na época, o famoso rio Piracicaba agonizou e praticamente secou devido à estiagem que atingiu todo o Estado de São Paulo. Naquele período, o manancial que é o grande orgulho da cidade – ao lado do glorioso XV de Piracicaba – registrou o impressionante e assustador nível de água de apenas 91 centímetros.

Durante a eleição municipal de 2020, outras cidades brasileiras como São Paulo, Curitiba e Balneário Camburiú, entre tantas, também apresentaram candidatos que listaram a água de reúso em seus projetos de governo, sinalizando que o tema deve ser incluído nas políticas públicas, urgentemente. 

Programa de Incentivo ao Reúso de Águas

Vale observar que, recentemente, a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou o Programa Estadual de Reúso de Efluentes das Estações de Tratamento de Esgoto (ETE) para fins industriais (Lei Nº 9.043, de 2 de outubro de 2020). Entre as justificativas para a criação da nova legislação estão a necessidade de atender a demanda das grandes metrópoles e atenuar o problema da escassez de água.

A nova lei fluminense estabelece incentivos para a implementação de programas de reúso de água. Por exemplo, empresas públicas estaduais e municipais poderão receber aportes financeiros do Fundo Estadual de Conservação Ambiental e Desenvolvimento Urbano (Fecam) para projetos de águas residuais.

E no caso das companhias do setor privado, elas poderão converter o valor investido em sistemas de reutilização de efluentes em crédito tributário, em proporção a ser definida pela Secretaria de Estado de Fazenda (SEFAZ).

Outro aspecto da Lei Nº 9.043 é que “serão incluídas, nas Licenças Ambientais para grandes empresas potencialmente poluidoras, condicionantes, que obriguem a reutilização de porcentagem de efluentes de ETEs, quando dentro do padrão técnico viável, como água de reúso para fim industrial na própria empresa”.

Link para acessar a Lei Nº 9.043:

http://www.fazenda.rj.gov.br/sefaz/faces/oracle/webcenter/portalapp/pages/navigation-renderer.jspx?_afrLoop=9090591506725699&datasource=UCMServer%23dDocName%3AWCC42000012145&_adf.ctrl-state=z2wni692r_9

Por Que a Água de Reúso é Importante?

Hoje, as fontes de água doce disponíveis na natureza estão sobrecarregadas com a gigantesca tarefa de atender as necessidades de quase 8 bilhões de habitantes da Terra e a demanda hídrica da atividade industrial global. E as mudanças climáticas em curso – que estão produzindo eventos extremos – têm piorado a situação dos mananciais e suas capacidades de abastecimento.    

Assim, tornou-se imprescindível a economia e o uso racional dos recursos hídricos. É preciso poupar água, preservar os mananciais e incentivar práticas sustentáveis que contribuam com a economia circular.

A água de reúso é, sem dúvida, uma alternativa para tornar nossas cidades mais “verdes” e menos geradoras de impactos ambientais. De agora em diante, a água de reúso será um instrumento de gestão indispensável para os municípios e comunidades em geral.

FUSATI, Uma Empresa Ligada ao Tratamento da Água

As empresas do Grupo FUSATI – a FUSATI Filtros e a FUSATI Ambiental – desenvolvem projetos e soluções que atuam em todo o ciclo da água. A ampla e sortida gama de produtos e serviços das duas empresas atendem demandas residenciais, comerciais, industriais e de gestões públicas. Sempre com tecnologia, segurança, alta performance e a qualidade comprovada da patente FUSATI.

Estação de Tratamento de Água para a Riber KWS Sementes em Patos de Minas – MG

As Possibilidades da Água de Reúso

Embora não seja potável, a água de reúso – aquela residual porém devidamente tratada, proveniente de atividades humanas, industriais ou da chuva – tem múltipla utilidade em rotinas de fábricas, condomínios, hotéis, hospitais e indústrias em geral.

A água de reúso pode ser empregada, por exemplo, no resfriamento de torres, caldeiras, na descarga de sanitários, no combate a incêndios, na irrigação de áreas verdes e jardins, na lavagem de veículos, pisos e áreas externas, na construção civil e na limpeza de áreas e vias públicas.  

Qualidade no Tratamento de Águas Residuais

A FUSATI Ambiental é uma divisão criada em 2007, especializada em projetos e instalações de soluções de tratamento de água, esgoto doméstico, efluentes líquidos industriais e de reúso de água.

A linha de soluções ambientais da FUSATI inclui sistemas de alta performance como Estações de Tratamento de Água (ETA), Estações de Tratamento de Esgoto (ETE) e Estações de Tratamento de Efluentes Industriais (ETEI).

ETA e Reuso de Efluente Industrial
ETA e Reúso de Efluente Industrial

Eficientes e funcionais, essas unidades são estações que podem ter diferentes configurações, já que são compactas e modulares e oferecem a possibilidade de serem customizadas e/ou integradas. Todas, contudo, geram a valiosa água de reúso e são construídas de acordo com as necessidades do contratante – espaço físico disponível, tipo de água a ser tratada, volume aquoso e outras especificidades.  

A credibilidade, a tecnologia e a confiança da marca FUSATI estão presentes em todos os sistemas de tratamento de água bruta, residual, efluentes industriais e de geração de água de reúso que a empresa desenvolve e comercializa há duas décadas.

Conheça as vantagens operacionais, ganhos ambientais e possibilidades de economia que os equipamentos da FUSATI podem proporcionar à sua empresa. E junte-se à nossa carteira de clientes satisfeitos que inclui indústrias, municípios, hotéis, condomínios, construtoras, incorporadoras imobiliárias, clubes, shoppings, restaurantes, escolas, universidades, agentes do agronegócio e outras empresas de segmentos variados.

Consulte a FUSATI Ambiental

E-mail: [email protected]

Telefone: (19) 3301-6666

WhatsApp: (19) 99608-0239

Quais as diferenças entre reuso de água e aproveitamento de água das chuvas?

Quais as diferenças entre reuso de água e aproveitamento de água das chuvas?

Entenda as diferenças entre reuso de água e aproveitamento de água das chuvas e saiba qual dos tipos é ideal para você.

Os problemas da escassez da água são enfrentados por países de todo o mundo em decorrência do desenvolvimento desordenado das cidades, da poluição dos recursos hídricos, do crescimento populacional e industrial, entre outros. Esses fatores geram um aumento na demanda pela água, provocando o esgotamento desse recurso.

Outro fator importante é a disponibilidade dos recursos hídricos nas regiões do mundo e até no Brasil, pois mesmo que tenhamos 13,7% de toda a água superficial da Terra, desse total, 70% está localizado na região amazônica e apenas 30% está distribuído pelo resto do país. Além disso, ao passo que há industrialização, também existe um grande potencial de contaminação, o que vai restringindo ainda mais as fontes de água e cada vez mais as pessoas tentam utilizar novas técnicas para conseguir diminuir o gasto e consumo.

Em muitas cidades ou locais em que não há disponibilidade de água, necessita-se de soluções que lidem com o contexto, especificidade e características da área.

Essa solução pode ser, por exemplo, reuso e reaproveitamento de água de chuva para fins não potáveis, no caso das áreas rurais. Com o tratamento correto, podem ser destinadas a fins potáveis também.

No entanto, quando falamos de reaproveitamento ou reuso de água e aproveitamento de água de chuva, existe uma diferença, pois cada tipo tem uma necessidade diferente de tratamento, manejo e da localidade (rural ou urbana).

Vamos entender qual a diferença desses tipos de águas:

Águas residuárias

Também chamadas de águas residuais, são todas as águas descartadas que resultam da utilização de diversos processos. O artigo 2º da Resolução nº 54 de 28 de novembro de 2005, do Conselho Nacional de Recursos Hídricos – CNRHclassifica essas águas como: “esgoto, água descartada, efluentes líquidos de edificações, indústrias, agroindústrias e agropecuária, tratados ou não”. Já a Companhia de Tecnologia e Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) exemplifica que águas residuais domésticas são oriundas de banheiros, cozinhas, lavagens de pavimentos domésticos; águas residuais industriais são provenientes de processos industriais.

Água de reúso

No artigo já citado da CNRH, é considerada água de reuso aquela água residuária encontrada dentro dos padrões exigidos para sua utilização nas modalidades pretendidas, ou seja, o reuso de água consiste no reaproveitamento de determinada água que foi insumo ao desenvolvimento de uma atividade humana. Este reaproveitamento ocorre a partir da transformação da água residuária gerada em determinada atividade em água de reuso. Esta transformação ocorre mediante tratamento. Segundo bases científicas, a reutilização pode ser direta ou indireta, decorrente de ações planejadas ou não:

Reuso indireto não planejado da água

Ocorre quando a água, utilizada em alguma atividade humana, é descarregada no meio ambiente e novamente utilizada à jusante (rio-abaixo), em sua forma diluída, de maneira não intencional e não controlada.

Reuso indireto planejado da água

Ocorre quando os efluentes, depois de tratados, são descarregados de forma planejada nos corpos de águas superficiais ou subterrâneas, para serem utilizadas à jusante, de maneira controlada, no atendimento de algum uso benéfico. Prevê que exista também um controle sobre as eventuais novas descargas de efluentes no caminho, garantindo assim que o efluente tratado estará sujeito apenas a misturas com outros efluentes que também atendam ao requisito de qualidade do reuso pretendido.

Reuso direto planejado da água

Acontece quando os efluentes, após tratados, são encaminhados diretamente de seu ponto de descarga até o local do reuso, não sendo descarregados no meio ambiente. É o caso com maior ocorrência, destinando-se a uso em indústria ou irrigação.

Água pluvial

As águas de chuva são consideradas muitas vezes como esgoto, pois, usualmente, passam pelos telhados e pisos e vão para as bocas de lobo onde, como “solvente universal”, carregam todo tipo de impureza dissolvida ou apenas levadas mecanicamente para um córrego e, posteriormente, ao rio. Porém, se for captada em áreas de acesso restrito antes desse caminho, pode ser aproveitada para fins não potáveis sem a necessidade de um tratamento mais complexo.

Mas, para isso, é recomendável que se descarte o primeiro 1 mm ou em áreas urbanizadas até 2 mm, pois estudos comprovaram que esse descarte inicial (first flush) carrega as impurezas suspensas no ar e no telhado que podem conter fezes de animais e matéria orgânica. Esses primeiros milímetros são decorrentes do cálculo do projeto, por exemplo, ao captar a água de um telhado, o seu tamanho e o quanto chove na região (que pode ser encontrado aqui). Esses serão fatores determinantes para o projeto do descarte inicial e do tamanho do tanque de armazenamento.

Usualmente, adota-se 1 mm de chuva em 1 m² de telhado que é igual a 1 litro de água, ou seja, se o seu telhado for de 50 m², o primeiro 1 mm de chuva seria de 50 litros, que devem ser descartados inicialmente, conduzidas ao sistema de drenagem pluvial e jamais serem conectados a sistemas de coleta de esgoto.

Contudo, o projetista de sistemas deve seguir a norma da ABNT NBR 15527 de 2007, que estabelece as diretrizes para os projetos quanto aos parâmetros da água, pois esse tipo de água não é potável e pode trazer riscos ao ser ingerida e ao entrar em contato com mucosas, assim sendo necessário uma dosagem de cloro no tanque.

Aplicações da água

Segundo a Cetesb, é possível utilizar água de reuso em algumas situações:
• Irrigação paisagística: parques, cemitérios, campos de golfe, faixas de domínio de autoestradas, campus universitários, cinturões verdes, gramados residenciais e telhados verdes;
• Irrigação de campos para cultivos: plantio de forrageiras, plantas fibrosas e de grãos, plantas alimentícias, viveiros de plantas ornamentais, proteção contra geadas;
• Usos industriais: refrigeração, alimentação de caldeiras, água de processamento;
• Recarga de aquíferos: recarga de aquíferos potáveis, controle de intrusão marinha, controle de recalques de subsolo.
• Usos urbanos não-potáveis: irrigação paisagística, combate ao fogo, descarga de vasos sanitários, sistemas de ar condicionado, lavagem de veículos, lavagem de ruas e pontos de ônibus, etc.
• Finalidades ambientais: aumento de vazão em cursos de água, aplicação em pântanos, terras alagadas, indústrias de pesca.
• Usos diversos: aquicultura, construções, controle de poeira, dessedentação de animais.

A consciência ambiental e a valorização do nosso recurso hídrico é de suma importância e deve ser cada vez mais disseminada a ideia de aproveitamento e reuso. Mas lembre-se: existem no mercado profissionais capacitados para projetar e construir esses sistemas dentro dos parâmetros estabelecidos, então, em qualquer dúvida, procure-nos.

Fonte: https://www.ecycle.com.br/

5 Passos para o Descarte e Tratamento Correto de Efluentes

5 Passos para o Descarte e Tratamento Correto de Efluentes

Toda empresa deve se preocupar com os resíduos industriais que gera durante o processo de sua produção. Esses resíduos são comumente chamados de efluentes. Tanto podem ser efluentes líquidos ou sólidos. Entre as razões para sua empresa colocar o tratamento de efluentes no topo das prioridades, estão:

  1. Melhorar o processo de tratamento de efluentes para reduzir os custos operacionais,
  2. Cumprir as exigências ambientais de descarte de efluentes,
  3.  Minimizar a poluição ambiental. Uma compreensão completa da natureza e das propriedades dos efluentes da sua empresa é essencial para o controle da poluição.Os 5 passos para o gerenciamento eficaz de efluentes são:

1.    Caracterizar todos os efluentes produzidos no local

Os resíduos são classificados de acordo com suas propriedades físicas, químicas ou infectocontagiosas.  Os resíduos de Classe I, por exemplo, são aqueles considerados perigosos, pois apresentam risco à saúde e ao meio ambiente ou podem ser inflamáveis, corrosivos, tóxicos, reativos ou patogênicos.  Esses resíduos, se descartados de forma negligente, pode contaminar os rios e lençois freáticos.

Vale lembrar que uma das principais problemáticas relacionadas aos recursos hídricos no Brasil é a falta de estações de tratamento do esgoto.

2.    Implementar um programa de minimização de resíduos para reduzir o volume e a força dos efluentes

Antes de rever a operação de sua Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), as empresas devem ser encorajadas a tomar medidas para minimizar a quantidade do efluente criado pelos processos de produção.  Produzir menos efluentes em primeiro lugar reduzirá as demandas feitas na ETE e, assim, economizará dinheiro e esforços. Rever desde vazamentos a processos para alcançar essa otimização.

3.    Incorporar condicionamento e tratamento de processo, quando apropriado

 Exemplos dos impactos que podem ocorrer quando os resíduos industriais são descartados sem tratamento: metais pesados ou toxinas que podem poluir águas receptoras, ou seja, mananciais. Essas águas se tornam impróprias para abastecimento e representam uma ameaça para o meio ambiente.

Torna-se um problema ambiental, passível de grandes multas e que pode ser evitado com medidas de manejamento correto dos efluentes com uma empresa responsável, preocupada com a água e saúde. 

4.    Determinar instalações de separação para adequar as opções de tratamento de resíduos e destinação final

 Projeto de instalações e melhores práticas de gestão operacional são necessários para minimizar o risco de poluição ambiental.

 5.    Otimizar o desempenho da ETE.

Para fazer o descarte de forma correta, as indústrias devem seguir a legislação ambiental vigente, certificando-se de separar o lixo e enviar para as empresas de saneamento. Por essa razão, a maioria das empresas opera uma Estação de Tratamento de Efluentes (ETE). O gerenciamento e controle efetivos dos processos usados ​​no tratamento de efluentes químicos ajudarão sua empresa a:

  • Reduzir seus custos operacionais e, assim, aumentar os lucros;
  • Alcançar um cumprimento mais efetivo da legislação;
  • Melhorar a imagem pública;
  • Reduzir os custos do tratamento de efluentes líquidos.

Algumas empresas conseguem economias de custo significativamente maiores, melhorando o desempenho de sua ETE. Através de uma ETE Compacta é possível reduzir os custos associados à operação da estação de tratamento de efluentes em pelo menos 5%. 

ETA e Reuso de Efluente Industrial
ETA e Reuso de Efluente Industrial

Não somente para indústria química, mas a ETE compacta é aplicável a muitas outras empresas que visam operar uma estação de tratamento de efluentes. Lava-jatos, empresas de veículos e até mesmo chácaras e sítios podem se beneficiar de estações compactas de tratamento. 

Quais os riscos para as indústrias que descartam resíduos sem tratamento? Em primeiro lugar, risco à saúde humana, pois os resíduos químicos e tóxicos podem contaminar o meio ambiente ao seu redor, trazendo sérios danos à vida. Se a empresa for descoberta, será autuada por crime ambiental e penalizada com multas severas, além de responder judicialmente pela sua negligência. E o pior: suas atividades poderão ser encerradas.

Existem leis na esfera federal, como a resolução 357 do CONAMA (Conselho Nacional de Meio Ambiente) que prevêem aplicação de multas e punições. Órgãos como a CETESB, no Estado de São Paulo, IBAMA, Ministério Público e Polícia Federal autuam e, em casos extremos, podem até levar à prisão os responsáveis pelas empresas. A Lei 6.938/81, em seu artigo 12 prevê sanção administrativa por danos causados ao meio ambiente, punindo com suspensão ou perda de participação em linhas de financiamento público. Por tudo isso, a importância do tratamento de efluentes químicos com segurança não pode ser subestimada.

Com a preocupação de se adequar à lei e aos decretos, as indústrias buscam soluções para otimizar seus procedimentos de tratamento de efluentes.

É cada vez mais frequente o uso de estação de tratamento biológico, estação de tratamento de água (ETA compacta) para minimizar o descarte dos poluentes no ambiente e otimizar processos internos de uso da água, como no exemplo de caldeiras e torres de resfriamento.

Com mais de 30 anos de experiência, atuando no tratamento de efluentes, a Fusati Ambiental garante a máxima eficiência no atendimento aos clientes que é realizado por uma equipe composta de profissionais e técnicos altamente capacitados.

Temos soluções para estação de tratamento de efluentes industriais e estação de tratamento do esgoto doméstico.

A Fusati desenvolve soluções e sistemas personalizados que vão desde o projeto em 3D até a fabricação, montagem, operação de equipamentos. Dentre algumas das soluções, estão:

Entre as especialidades da FUSATI estão as tecnologias de Osmose Reversa, Filtração e Desinfecção da Água, Outros Métodos de Tratamento e a ETE de Biocombo Compacta com Ultrafiltração Avançada, desenvolvida inteiramente por profissionais especializados.

Outras soluções disponíveis são sistemas de tratamento para água de poço, captação e reuso de água de chuva, além dos filtros residenciais, comerciais e industriais.

A partir da análise físico-química da água, a FUSATI pode determinar qual a melhor solução em filtração ou tratamento de água, com soluções compactas e personalizadas.

A qualidade da água depende muito da localização, terreno, lençol freático e condições geográficas do local.

Por isso, a análise é tão importante para determinar qual o melhor sistema a ser escolhido. A escolha depende ainda da vazão e do uso que será feito da água.

Procure a FUSATI para saber o produto certo para você, com soluções de melhora da qualidade da água, tecnologias de reúso, estações de reaproveitamento da água de chuva, de poço e estações de tratamento de efluentes diversos.

Entre em contato pelo e-mail [email protected], pelo WhatsApp (19) 99608-0239 ou pelo telefone (19) 3301-6666.

O Custo da Água no Brasil

O Custo da Água no Brasil

A cobrança pelo uso da água é um assunto que gera muitos debates, controvérsias e polêmicas no Brasil. Afinal, não é tarefa simples estabelecer um preço justo para o recurso natural essencial para a vida humana, outros seres vivos e para a atividade econômica. Mas você sabia que a cobrança pela utilização da água no país se dá de duas formas?

A tradicional conta de água, que todo mês desembarca na casa dos brasileiros, é a forma mais conhecida. Aqui, estamos falando da fatura referente ao consumo de água fornecida por redes públicas de distribuição, que geralmente também incorpora os serviços de esgoto.  

A outra modalidade de tarifação – que é prevista pela Política Nacional de Recursos Hídricos (Lei Nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997) – é estabelecida pela União e diz respeito à “Cobrança pelo Uso de Recursos Hídricos”. É um valor cobrado de usuários de água como empresas de saneamento, indústrias e mineradoras pela utilização do recurso captado de rios e outros mananciais das bacias hidrográficas do país.

Por Que Cobrar o Uso de Um Bem Público?

A cobrança pelo uso de águas de domínio da União (rios e recursos hídricos subterrâneos) é uma responsabilidade da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA).

A Agência estabelece os valores de captação de água bruta no território de seis bacias: Paraíba do Sul; Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ); São Francisco; Doce; Paranaíba; e Verde Grande.

A Lei Nº 9.433, que é popularmente conhecida como “Lei das Águas”, justifica que a cobrança da água nessas bacias se dá por causa de três objetivos:

  1. dar ao usuário uma indicação do real valor da água;
  2. incentivar o uso racional da água;
  3. obter recursos financeiros para recuperação das bacias hidrográficas do país.

A ANA explica que a cobrança pelo uso dos recursos hídricos do país “não é um imposto, mas uma remuneração pelo uso de um bem público, cujo preço é fixado a partir da participação dos usuários da água, da sociedade civil e do poder público no âmbito dos Comitês de Bacia HidrográficaCBHs”.

Rio São Francisco (MG)
Zig Koch / Banco de Imagens ANA
Rio São Francisco (MG)
Zig Koch / Banco de Imagens ANA

E a Definição das Tarifas para o Consumidor?

Quanto você acha que deveria custar um litro de água tratada? Essa é outra pergunta complicada e de resposta para lá de complexa.

Isso porque as tarifas de água no Brasil variam conforme a região, o Estado, os reajustes dos valores da cobrança pelo uso de água (definidos pela ANA para as seis bacias de domínio da União), a disponibilidade de água, os custos da empresa que realiza a captação, o tratamento e a distribuição da água e outros fatores específicos. 

Custo do Tratamento de Água no Brasil

O recém divulgado estudo Contas Econômicas Ambientais da Água (CEAA): Brasil 2013-2017 revelou importantes parâmetros hídricos do Brasil quanto à disponibilidade, oferta, consumo e os custos de água de distribuição e serviços de esgoto.

Realizado por meio de uma parceria entre a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o levantamento compilou resultados nacionais das cinco regiões – Norte, Nordeste, Sudeste, Sul e Centro-Oeste – com indicadores físicos e monetários sobre a oferta e a demanda de água no Brasil, pelas atividades econômicas e pelas famílias.

De acordo com dados desse raio-X hídrico do país, as tarifas de água para o consumidor brasileiro podem ter variações de até 245%.

Essa diferença é verificada na comparação entre as tarifas cobradas na região Centro-Oeste (que possui o maior custo de serviços de fornecimento de água e tratamento de esgoto, equivalente a R$ 4,71 por metro cúbico/m3 ou 1.000 litros) e na região Norte, que apresenta o menor valor, de R$ 1,92 por m3.

Considerando as cinco regiões, a tarifa média de água registrada no país é de R$ 3,06/m3.

Custo da Água e de Serviços de Esgoto por Região

RegiãoValor (R$/m3)
Norte1,92
Nordeste2,13
Sudeste3,17
Sul3,80
Centro-Oeste4,71
Fontes: IBGE e ANA

Consumo de Água por Habitante

A média brasileira de consumo de água por dia por cada habitante é de 116 litros, informa o CEAA.

Entre as cinco regiões brasileiras, a Sudeste é aquela que registra o maior consumo de água per capita diário (143 litros/habitante/dia), seguida das regiões Sul (121 litros/h/d) e Centro-Oeste (114 litros/h/d). Na região Norte o consumo diário por cidadão é de 84 litros e em último lugar fica o Nordeste, com 83 litros/dia por habitante.

Quanto ao índice de esgoto coletado (em relação ao volume de água usado pela população) o ranking nacional também traz a região Sudeste na liderança, com 71%. Depois surgem Sul e Centro-Oeste (ambas com 54%), Nordeste (38%) e Norte (14%).

Saiba Mais!

  • Cada brasileiro consome, em média, cerca de 116 litros de água por dia
  •  Em 2017, a retirada total de água no país foi de 3,7 milhões de hectômetros/hm³ (3,7 quatrilhões de litros)
  • O valor para a produção de água de distribuição e serviços de esgoto, em 2017, foi de R$ 56,5 bilhões
  • O consumo total de água no Brasil (menos a que retorna para o meio ambiente) foi de 329,8 trilhões de litros em 2017
Open chat
Olá, Podemos ajudar! Fale com um consultor!